Afinal os Vikings usavam mesmo elmos com cornos?

Updated: 6 days ago




Qual é a primeira coisa que nos vem à mente quando ouvimos a palavra “Viking”?



Está a jogar Pictionary com os amigos e é a sua vez. Olha para o cartão e suspira de alívio: “Viking”. Fácil não? Um boneco com um elmo com cornos e já ganhou esta ronda. Mas ainda bem que não está a jogar com uma horda de Vikings.

Aparentemente, por muito impressionantes que os elmos com cornos pareçam, não eram comuns no guarda-roupa do guerreiro medieval. Embora ao longo dos tempos tenham sido usados para paradas militares, torneios e outros, a verdade é que o peso e tamanho dos mesmos não os tornavam nada práticos para usar em combate, ou para andar a cavalo por uma floresta cheia de ramos de árvore. Várias culturas em todo o mundo usaram elmos com cornos, mas principalmente para fins cerimoniais ou rituais, ou para altas-patentes dos exércitos (aqueles que dão ordens mas raramente lutam) intimidarem os seus inimigos. Dos Egípcios aos Celtas, dos Samurais aos Persas, muitos povos usaram elmos e outros adornos de cabeça com cornos, hastes, asas e até cobras. Só não em combate.



Então onde fomos buscar a ideia de que os Vikings usavam elmos com cornos?

A resposta é: cultura popular. Pelo menos a do séc XIX. Por essa altura, estávamos no auge do Romantismo e os artistas inspiravam-se maioritariamente na época medieval, por oposição à ascensão do Industrialismo. Pintores como August Malmstrӧm recriavam cenas de épicos e sagas medievais, embora não tivessem o conhecimento de História e Arqueologia que temos hoje. Para mais, o movimento do Romantismo enaltecia emoções como o terror e medo, e assim surgiram as primeiras pinturas de Vikings assustadores com grandes elmos com cornos.

Em 1876, o compositor alemão Richard Wagner estreou a primeira parte do seu ciclo de 4 óperas “O Anel dos Nibelungos”, baseada em personagens das sagas nórdicas. Carl Emil Doepler, o figurinista encarregue destas óperas, inspirou-se nas pinturas de artistas como Malmstrӧm para criar os figurinos com os famosos elmos, começando assim um estereótipo que perdura até aos dias de hoje. No caso desta ópera lhe soar familiar, é possível que seja por causa do desenho animado do Bugs Bunny de 1957 chamado “What’s Opera, Doc?”, em que Elmer Fudd (Siegfried) canta para uma Brünnhilde com dentes estranhamente grandes, enquanto persegue um coelho, e usa – isso mesmo – um elmo com cornos. E não se sinta muito mal se só viu esta versão, não é o único.




Então e os Vikings?

Será que iam para a batalha sem elmos? Surpreendentemente, é bastante possível. Várias representações dessa altura mostram guerreiros em batalha com a cabeça descoberta ou com um elmo simples com uma protecção de nariz. Tendo em conta que o material disponível era maioritariamente ferro impuro de pântano, os ferreiros Viking teriam dificuldade em criar uma peça suficientemente grande para fazer um elmo inteiro, portanto estes seriam feitos usando várias peças, seguras entre si com rebites. A isto se chamava um Spangenhelm. O interior do elmo também precisaria de algum material amortecedor, visto que uma pancada directa em ferro sobre o crânio, ainda assim causaria demasiado dano, e algumas descobertas arqueológicas mostram que haveria um sistema de suspensão de couro, seguro aos rebites no interior. Também é provável que estes guerreiros usassem uma “touca” de material absorvente, para ajudar a amortecer os golpes e absorver o suor e assim prevenir que o interior enferrujasse.

Na realidade, nunca foi encontrado nenhum elmo com cornos da era Viking. O único elmo viking completo que foi encontrado é o elmo Gjermundbu, encontrado na Noruega em 1943 dentro de uma câmara fúnebre, e actualmente em exibição no Museu de História da Cultura da Universidade de Oslo. É feito de ferro e possui um aro e duas peças em cruz, onde quatro placas foram seguras com rebites e tem uma pequena viseira decorada, que também protege o nariz. Possui também uma espécie de espigão no topo, que serviria para investir de cabeça contra o inimigo. A maioria dos elmos da altura também tinha uma tira de couro que segurava por baixo do queixo, visto que poderiam cair com facilidade. Todos os outros elmos dessa era, foram encontrados em fragmentos, mas sem qualquer vestígio de terem cornos como ornamento.


Portanto, a próxima vez que precisar de desenhar ou descrever um Viking, a questão é: quer ganhar um jogo, ou quer passar a História?



Order securely from your home

Get a full refund or replacement in case the order does not match or is defective

Follow us on:

  • Pinterest
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
drakkardesign.png